O dia 1º de agosto é o Dia do Aleitamento Materno. A data, instituída em 1992, tem como objetivo promover a amamentação e chamar a atenção para a sua importância. O leite materno é um alimento completo para o bebê. Além de todas as substâncias necessárias para a sua nutrição, ele também possui anticorpos que protegem a criança nos primeiros meses de vida. A Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda amamentação exclusiva até os seis meses e amamentação complementada até os dois anos de idade.

A criança saudável, que nasce a termo, possui reflexos que facilitam a mamada. Ao abocanhar a aréola e o mamilo, ela já tem o reflexo da sucção. Quando ela suga o mamilo e a aréola, eles penetram em sua boca até tocar o palato. A pressão da aréola contra o palato e a língua fazem com que o leite saia dos seios para a boca da criança, que engole, através de um outro reflexo: o da deglutição.

Apesar desses reflexos ajudarem na amamentação, o aleitamento materno depende, também, de apoio e uma boa orientação para as mães, que já deve começar durante a gestação e se estender após o nascimento.

O bebê deve começar a mamar assim que nasce, de preferência ainda na sala de parto, desde que esteja tudo bem com ele e com a mãe. Para que o bebê sugue o peito eficientemente, é necessário estar em uma posição que lhe permita abocanhar, adequadamente, o mamilo e a aréola.

A orientação dos pediatras é que o bebê mame em livre demanda, ou seja, todas as vezes que quiser, sem horários fixo. A mãe deve oferecer um peito e, só depois que ele esvaziar, oferecer o segundo. O esvaziamento da mama é fundamental para o estímulo de produção do leite. O tempo de esvaziamento da mama depende muito de cada criança, podendo variar de alguns minutos até meia hora. Para que o bebê não tracione o mamilo ao fim da mamada, é recomendado que a mãe coloque delicadamente o dedo mínimo no canto de sua boca na hora de tirar o peito.

A prolactina é o hormônio responsável pela produção de leite e tem seus níveis regulados pelo estímulo de sucção do complexo mamilo-areolar através da pega adequada e da frequência das mamadas. No entanto, a ocitocina, hormônio responsável pela ejeção de leite, é influenciada por fatores emocionais maternos: ela aumenta em situações de autoconfiança e diminui em momentos de ansiedade e insegurança.

A Sociedade Brasileira de Pediatria, através de um manual de orientação sobre alimentação para bebês e crianças, dá algumas orientações para a mãe na hora da amamentação:

– A mãe pode estar sentada, recostada ou deitada.

– Ela deve apoiar a mama com a mão, colocando o polegar logo acima da aréola e os outros dedos e toda a palma da mão debaixo da mama; o polegar e o indicador devem formar a letra C, de modo que o lactente possa abocanhar o mamilo e boa parte da aréola (os depósitos de leite estão sob a aréola).

– Não é recomendado pinçar o mamilo entre o dedo médio e o indicador (posição de segurar o cigarro).

– O bebê deve estar bem apoiado, com a cabeça e o corpo alinhados; o corpo, bem próximo e voltado para o da mãe (barriga com barriga), o queixo tocando o peito e a boca bem aberta, de frente para o mamilo.

No quadro abaixo, é possível avaliar se está tudo bem com a amamentação.

Fonte: Sociedade Brasileira de Pediatria (Manual de orientação – Departamento de Nutrologia)

CompartilharShare on Facebook

Comentários

CategoryArtigos

Tradução »