O bruxismo na infância está entre as causas odontológicas que mais motivam os pais a procurarem um odontopediatra.

Mas, o que é o bruxismo?
O bruxismo é o nome dado à atividade do conjunto de músculos envolvidos na mastigação, que acarreta no ranger ou apertar dos dentes ou, ainda, quando o paciente movimenta a mandíbula aleatoriamente. Ele pode acontecer durante o sono, caracterizando o bruxismo do sono (BS) ou enquanto o indivíduo está acordado, caracterizando o bruxismo da vigília (BV). Em ambas as situações, é indesejável por trazer prejuízos, principalmente aos dentes.
Os conhecimentos novos acerca do tema proporcionam o entendimento de que o bruxismo pode ser um sinalizador de outros problemas de saúde, então, o foco do tratamento deixou de ser somente na colocação de placas para proteger os dentes.

E o que causa o bruxismo?
Ele já foi considerado um hábito adquirido sem função vital (diferentemente da mastigação), que pode trazer danos biológicos em maior ou menor escala.
Hoje em dia, dependendo de sua ocorrência, pode ser um comportamento do sono, uma atividade protetora ou sinalizadora de outras alterações sistêmicas.
Segundo a Academia Americana de Medicina do Sono, o bruxismo do sono é classificado como um distúrbio de movimento relativo ao sono, descrito como uma atividade muscular rítmica relacionada a apertar ou ranger os dentes, ou por meio da movimentação da mandíbula durante o sono.
Já o bruxismo da vigília é relacionado ao estresse, ansiedade e concentração. Não existe evidência científica forte associando esses fatores com o bruxismo do sono.

A origem do bruxismo o classifica em dois tipos:
1. Primário: quando a causa não é identificada com clareza, podendo haver influência genética.
2. Secundário: quando existe um fator causal associado para a presença da atividade muscular.

Possíveis fatores causais associados:
– Obstrução de vias aéreas superiores: fator associado mais estudado e que está relacionado ao bruxismo do sono infantil
– Refluxo gastroesofágico: quando o bruxismo representa uma atividade protetora, elevando o pH salivar
– Hábitos do sono da criança: crianças que dormem menos de 8 (oito) horas por noite, em quartos com luzes acesas e presença de barulho, tendem a ter mais bruxismo do sono
– Crianças com alterações neurológicas

O chamado “bruxismo fisiológico”, como muitos profissionais costumam se referir ao bruxismo na infância, não encontra respaldo na literatura. É necessária a investigação minuciosa de possíveis fatores associados e a resolução deles em equipe multidisciplinar.

Como é feito o diagnóstico do bruxismo?
O método mais comum de diagnóstico do bruxismo, seja do sono ou da vigília, é por questionário e relato dos cuidadores.
A avaliação clínica feita pelo dentista permite a identificação de sinais que caracterizam o bruxismo: desgaste das superfícies dentárias, marcas edentadas na língua e na bochecha, além de hipertrofia e dor nos músculos da face. Entretanto, o relato do cuidador ou do paciente é condição essencial para o diagnóstico.
No caso de bruxismo do sono, o exame de polissonografia com gravação de áudio e vídeo confirma o diagnóstico, no entanto, há algumas limitações em crianças.

Hábitos comuns na atualidade, como a utilização de jogos eletrônicos no período noturno, podem favorecer o bruxismo do sono.
A consulta com um profissional se faz necessária para que as causas desse distúrbio, cada vez mais comum, sejam investigadas e para que o tratamento seja bem direcionado e eficiente.

“Em nenhuma circunstância as informações aqui publicadas substituem a consulta com o odontopediatra”
“Para mais informações, procure sempre o seu Cirurgião Dentista e realize uma consulta presencial antes de qualquer iniciativa”

Natália Teixeira é odontopediatra

Comentários

CategoryArtigos

Tradução »